O melhor jogo que a Ubisoft não deixa você jogar

Hoje vou publicar algo que não costumo fazer com frequência, mas deveria: divulgar conteúdos que merecem muito mais visualizações e consideração do que receberam. No caso, é uma atitude duplamente recomendável, já que o objeto do conteúdo em si também é algo que até hoje não recebeu os louros que merecia. Por acaso, topei nas minhas recomendações do YouTube com esse vídeo abaixo, chamado exatamente o que coloquei no título acima, e abri na hora porque reconheci de imediato de que jogo se tratava: Driver: San Francisco.

Capa de Driver: San Francisco (X360)

Poucos jogos de corrida foram tão subestimados quanto esse, quando não zoados mesmo, tudo pela ousadia da premissa: você joga quase o tempo inteiro em um mundo aberto… na cabeça do protagonista em coma. Graças a isso, você pode “pular” de motorista em motorista na cidade, uma mecânica estranha no começo mas que logo se revela genial, possibilitando uma série de estratégias impossíveis de reproduzir em qualquer outro jogo de corrida. Entre a capacidade natural de alguns gamers de se incomodar com qualquer coisinha que fuja do padrão esperado e a dificuldade de outros de visualizar tais estratégias divertidas, além do fato de que esse Driver saiu no agitadíssimo ano de 2011, o jogo acabou meio que passando batido, infelizmente.

Aí fui assistir ao vídeo, e… É uma belíssima peça que mistura análise, entrevistas, informações, resgate e um pouquinho de zoeira, encerrando com uma “chamada à ação” necessária. Para começar, ele explica muito melhor do que jamais fui capaz os motivos de Driver: San Francisco ser tão memorável. No meio do processo, o criador conseguiu declarações de autores e desenvolvedores originais do jogo, dando um insight na produção dele, além de informações que nunca tinha visto. Vocês sabiam que esse Driver teve mais falas do que seu contemporâneo Mass Effect 2, já que mais de 150 NPCs-passageiros na cidade conversam com você e reagem ao que você faz com o carro depois de “possuir” os motoristas ao lado deles?

Também descobri o motivo do título do vídeo e deste artigo: esse Driver não está mais disponível para compra no Steam e no uPlay (nunca fiquei tão feliz com a minha mania de recomprar jogos que gosto muito no PC quando barateiam bastante: ainda tenho o jogo no uPlay, além da mídia física de Xbox 360). É aí que entra a zoeira: o criador teve que rastrear sites menos, hã, fidedignos para comprar uma chave velha do jogo, e acabou usando… cartões de presente do Subway para isso – sim, o restaurante, e só porque ele podia. Mas o mais importante é que ele defende a ideia de que, com interesse suficiente no jogo, a Ubisoft pode dar um jeito de resgatá-lo. E como eu acho que jogo merece, é mais um motivo para divulgar o vídeo aqui e linkar a petição no Change.org que o cara abriu (e já tem quase 68 mil assinaturas!). Assinei lá e recomendo que todos vocês assistam a esse vídeo e façam o mesmo.

Acreditem em mim, o jogo merece – e um comentário no vídeo apontou outra coisa bem interessante e que faz sentido: de certa forma, o futuro Watch Dogs Legion está fazendo algo bem parecido, apenas sem um protagonista principal. Quem diria? Jogos “seminais” são assim mesmo: sua genialidade pode não ficar clara no começo, até parecer estranha, mas com o tempo suas ousadias se provam corretas e empolgantes. Cara, até baixei o jogo de novo, mesmo esse sendo o pior momento para me meter a reviver clássicos cult… Mas depois de assistir ao vídeo, é impossível não querer pelo menos dar uma olhada de novo e sorrir com todas as maluquices. Confiram e entendam:

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s