Melhores de 2016: Remake/Relançamento

melhores2016Este artigo faz parte da série Melhores de 2016, com os games lançados este ano que este blog considera que devem ser jogados por quem puder. Consulte a página Melhores de 2016 – Lista de categorias para ver as categorias do ano e o artigo Segurem essa lista de 2016 para ver quais jogos são candidatos a todas as categorias.

É hora de acelerar e terminar logo essa série de artigos ainda antes do final de março, certo? Um trimestre inteiro do ano seguinte já é tempo demais, por mais que os artigos sejam detalhados e informativos… Até agora. Vou começar a economizar nas palavras, senão a coisa não termina. Aí vai uma lista bem rápida dos candidatos a Melhor Remake/Relançamento de 2016, com apenas dois parágrafos sobre o vencedor – que já tem uma resenha extensa aqui no blog.

========== 2016 ==========

Para começar, uma pequena decepção: Atari Vault. 100 jogos da empresa em versões de console e arcade, e mesmo assim muitos clássicos (River RaidKeystone KeapersPitfall…) estão faltando, e jogos menores aparecem nas duas versões para inflar o total. Vale em uma sale pesada do Steam e olhe lá.

Tivemos também a obrigatória série de relançamentos/remasters de jogos da geração passada, com maior ou menor cuidado. Os casos de Dead Island Definitive Collection, Dead Rising pré-terceiro e Marvel Ultimate Alliance 1 e 2 servem apenas para quem não teve chance de jogar antes; as versões em si não melhoram muita coisa, salvo os efeitos de iluminação nos dois jogos de zumbi da Techland.

Duas exceções neste tipo de caso são Gravity Rush Remastered e God Eater Bust Ressurection, que saltaram não apenas de geração mas de tipo de plataforma: de portáteis para consoles domésticos (e PC, no caso de God Eater). Portanto, as chance de um público maior não tê-los jogado são ainda mais altas. Ainda assim, são ports diretos apenas “corretos”, com bom desempenho e sem nada extra.

A coisa começa a esquentar um pouco quando falamos de jogos com importância até histórica para o mundo dos games. Valkyria Chronicles RemasteredThe Elder Scrolls V: Skyrim Special EditionThe Bioshock Collection são (ou incluem) títulos obrigatórios para quem quer entender a evolução de cada gênero a que pertencem. Esses relançamentos não apresentam extras dignos de nota, mas é sempre bom ver o primeiro com maior resolução e os outros dois com efeitos extras e a 60 frames, se você não jogou no PC. São casos em que vale a pena reviver esses mundos, nem que se espere uma boa promoção.

"No Gods or Kings, Only Men" - Bioshock (PC/PS3/X360)

Aí começamos a entrar no filé. Day of the Tentacle Remaster resgata um clássico bastante antigo e difícil de conseguir encontrar/fazer rodar hoje no PC, com direito a extras e a possibilidade de alternar entre os belos visuais refeitos e os originais. Odin Sphere: Leifthrasir tem o cuidado dos melhores remakes da Atlus: apresentação belíssima, ajustes bem-vindos de jogabilidade e conteúdo extra. Por fim, o reboot da série Ratchet & Clank foi tão bem preparado que quase parece um título novo, mesmo usando mapas, armas e upgrades clássicos; por tabela, ajudou a dar um gás na onda de revitalização dos jogos de plataforma 3D.

Mas o vencedor da categoria é outro reboot que fez um verdadeiro milagre…

Doom (PC/PS4/Xbox One)

Recriar Doom a essa altura estava longe de ser uma coisa trivial. O risco de “modernizar” demais e perder a essência era gigante. Ao mesmo tempo, manter apenas a fórmula original seria o mesmo que condenar todo o investimento a um subnicho muito específico de jogadores de FPS – mais precisamente, aqueles que deixaram de ser fãs do gênero na era pós-Call of Duty. Um bom exemplo disso é o próprio multiplayer deste Doom, que tentou ser mais “moderno” e acabou não agradando público algum.

Felizmente a campanha solo, a cargo da própria iD Software, se equilibrou nessa difícil corda bamba sem nenhum susto, do primeiro ao último minuto do jogo. Para saber exatamente como, confira a resenha publicada aqui no blog e entenda por que Doom leva a categoria Melhor Remake/Relançamento de 2016.

========== 2016 ==========

Jogos que poderiam ter entrado mas não joguei ou comprei: The Legend of Zelda: Twilight Princess HD

Anúncios

Um comentário em “Melhores de 2016: Remake/Relançamento

Adicione o seu

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: