Tokyo Mirage Sessions ou Persona J-Pop Sessions?

Chegou hoje (finalmente!) minha cópia de Tokyo Mirage Sessions #FE para Wii U, antes conhecido como o crossover de Shin Megami Tensei com Fire Emblem. E bem na hora, aliás: acabei de terminar tudo em Zero Time Dilemma – resenha completa em breve, explicando por que o jogo saltou para o meu Top 3 do ano até então.

Voltando a Tokyo Mirage Sessions: só deu tempo de terminar o prólogo, que contém uma dungeon de dois “andares” e um chefe, em cerca de 1h30… Mas já me arrisco a dizer uma coisa: esse jogo é um Persona. O que tem de Shin Megami Tensei nele é apenas e tão somente o que já foi usado também em Persona (lembrando que Persona é um spin-off de SMT que “ganhou vida”). E o pouco que há de Fire Emblem aqui é quase totalmente cosmético: os personagens da série de estratégia da Nintendo servem como “miragens” dos protagonistas. Ou seja, outra forma de… personas. Hmmmm.

Nada de apocalipse nem caos: só uma turminha do barulho fazendo J-Pop

tokyo-mirage-sessions-fe-for-wiiuCombate, lógica, tom, temas, opções visuais, tudo no jogo me faz lembrar de Persona 4. Não há nada de pós- ou pré-apocalíptico na premissa inicial, e não há nada que sugira um conflito entre caos e ordem. É tudo muito leve, com adolescentes japoneses que são aspirantes a ídolos do ramo de entretenimento.

Além disso, os antagonistas não são descritos como nada parecido com “demônios”. Você não conversa com eles, muito menos os recruta ou coleta; apenas os derrota. No caso do primeiro chefe, inclusive, isso quer dizer “espantar” a “miragem” e devolvê-lo à forma humana – outro conceito muito mais de Persona do que de Shin Megami Tensei.

Pelas resenhas, ainda irei “abrir” um sistema de upgrades de armas inspirado em Fire Emblem e outro de “ligações entre personagens”, o que lembra os social links de… vejam só… Persona. Nada que li ou assisti sugere qualquer mecânica intrínseca de Shin Megami Tensei. Não vou me espantar se não houver nenhuma: nada do básico que joguei parece indicado para isso.

Por exemplo, não há ganho de turnos extras quando se atinge um ponto fraco inimigo; o que ocorre é a chance de iniciar uma “sessão”, ou uma cadeia de ataques “automáticos” de vários personagens. E sabem o que essa mecânica nova lembra? Uma versão mais elaborada do All-Out Attack de… É, vocês já sabem: Persona.

TokyoMirageSessionsOverkill

Ah, Atlus, sua malandrinha…

Isto é… Por enquanto, o jogo só está confirmando o que eu suspeitava a cada novo preview e, posteriormente, nas resenhas: em algum ponto, a Atlus desistiu de incorporar Fire Emblem de verdade e usou a chance para fazer algo mais próprio do que um “simples” crossover. Não foi à toa que a Nintendo passou a direcionar menos marketing para Tokyo Mirage Sessions #FE, praticamente ignorando-o na E3: esse é um jogo da Atlus.

A diferença é que… Antes eu achava que ela resolveu criar um novo spin-off de Shin Megami Tensei que tivesse potencial para virar série própria, como aconteceu com Persona. Agora, já desconfio que usaram o jogo mesmo foi para testar mecânicas e estrutura novas para Persona 5.

Vou ter uma opinião definitiva quando jogar mais. Acompanhem aqui as cenas dos próximos capítulos!

Anúncios

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: