tiltTilt é a seção em que matuto sobre as tendências que mais me incomodam no mundo dos games. Se um certo jogo, estúdio, publisher, veículo, público ou categoria de profissionais adotar um discurso furado, é aqui que irei comentar – ou melhor, criticar.

Acho que não preciso aqui explicar o lance das operadoras de internet brasileiras quererem passar a impor limites de franquia de 2017 em diante, né? Vocês estão ligados nisso, está saindo em tudo quanto é mídia.

O que eu vejo muita, mas MUITA gente não perceber é que isso não se trata de ganância corporativa – não apenas, pelo menos. Isso é cartelização. E no mundo moderno, cartéis em áreas de empreendimento legalizadas (ou seja, não estou falando de cartel de drogas) só surgem de uma forma: com apoio direto ou indireto de governos e suas agências “reguladoras”. Sem esses, não há cartel, não importa a quantidade de dinheiro envolvido. Ponto.

Desde que essas notícias começaram a circular, venho avisando amigos e conhecidos em mídias sociais: estão mirando no alvo errado, a mira tem que se virar para a ANATEL. Aí ontem vem o presidente dessa pocilga e faz o quê? Comprova por A + B o que venho avisando, e ainda por cima metendo jogos no meio da história toda.

Ignorância completa ou premeditada?

Como reportado pela IGN Brasil, o sr. João Rezende declarou o seguinte para justificar a cobrança extra a quem exceder limites de franquia de Internet:

Tem gente que adora, fica jogando o tempo inteiro e isso gasta um volume de banda muito grande. É evidente que algum tipo de equilíbrio há de se ter porque, senão, nós teremos o consumidor que consome menos pagando por aqueles que estão consumindo mais (…)

A quantidade de coisas erradas em tão poucas linhas é assustadora, mas vamos lá.

Tela de Call of Duty: Modern Warfare Reflex EditionPrimeiro, nós sabemos que jogar online em si gasta uma fração da fração da banda de assistir Netflix ou YouTube. Você pode passar o dia inteiro no Call of Duty online que não vai chegar perto do consumo de banda de assistir um episódio de Mad Men em 45 minutos. No mínimo, essa declaração demonstra ignorância, já que ele não citou o download de jogos, e sim “ficar o dia inteiro” neles. Mas calma que o buraco é mais embaixo.

Segundo, pergunte-se: por que ele foi citar justo jogos, quando no geral as pessoas têm reclamado dos limites por causa do Netflix? O motivo óbvio já foi levantado: as operadoras de Internet costumam ser as mesmas de TV a cabo, que andam “sangrando” assinantes justamente por causa do Netflix (e por insistirem em um modelo falido de pacotes de canais, mas isso é outro assunto). É óbvio que ele, como “aliado” das operadoras, vai evitar sempre colocar o Netflix no bolo. Porém, há outro motivo menos óbvio, que vai ficar claro mais tarde.

Desligando a Internet

Terceiro, reparem como ele fala em “equilíbrio” e em “consumidor que usa menos pagando pelo que consome mais”. É aqui que é preciso começar a perceber as entrelinhas da jogada. Nós sabemos que quem consome menos PODE pagar menos: ninguém é obrigado a contratar um serviço de 60 Mbits apenas para ler email e acessar sites, por exemplo. O argumento dele é uma falácia, e sendo presidente da ANATEL, é óbvio que sabe disso. Ou seja: o discurso foi milimetricamente ensaiado para tentar gerar apoio e empatia.

“Mas empatia de quem?” Hora, de quem não joga e/ou só pode pagar planos de Internet mais baratos. Ele sabe que tentar “cooptar” todos os usuários de Internet é causa perdida, então tem que escolher algum tipo de público-alvo. Nesse ponto é que o “motivo menos óbvio” da segunda objeção acima entra. Afinal, ele declarou algo que vai irritar jogadores diretamente, ou seja, eles não são o público-alvo. E por que isso acontece?

Público gamer, o elo mais fraco

Pense um pouco em como ele “enquadrou” a coisa toda. “Tem gente que adora, fica jogando o tempo inteiro”. Ele está inserindo a questão no que se chama, em ciências sociais, de frame, ou uma espécie de narrativa pré-pronta para deixar uma ideia mais “bonitinha”. Pegue a citação dele e aplique no seu dia-a-dia. Como você acha que as pessoas na sua vida que não jogam videogame interpretam essa frase? Qual é a imagem que elas têm dessa “gente que adora, fica jogando o tempo inteiro”? É positiva ou negativa, no geral?

Isso que é um jogador hardcore?

João Rezende está mirando no pai de família médio, na mãe que se preocupa com as atividades dos filhos (de qualquer idade), nas pessoas que compram o discurso de que “a tecnologia está afastando as pessoas”. Esse público até pode usar o Netflix, que vem quase em qualquer TV moderna, e com certeza assiste vídeos no YouTube. Mas a maioria dos integrantes desse público não joga, e mesmo quando o faz, é em celulares e tablets na fila do banco. João sabe que nada do que disser vai convencer jogadores ou usuários frequentes de Netflix e YouTube. Então, ao escolher em quem atirar, foi no elo mais fraco, com mais chances de gerar empatia no resto do público.

Sim, mais fraco. Nós somos o elo mais fraco. E é hora de reconhecer isso.

Adoramos dizer que a indústria dos games movimenta mais dinheiro que Hollywood e estufadas de peito semelhantes, mas a real é que somos absurdamente ignorantes da realidade lá fora, especialmente em termos político-administrativos. No geral, jogadores ainda seguem sim um estereótipo antigo, de viverem em um mundo próprio. Esse mundo pode estar mais “social” hoje e ser aceito por mais gente, tanto como entretenimento válido quanto como forma de expressão, mas a imagem de alienação ainda persiste – e com certa razão, embora por outros motivos.

Hora de acordar para a vida

Não é que “gente que joga o dia inteiro” seja “alienada” por ficar dentro de casa em vez de ir andar de bicicleta. Isso é bobagem. O problema é que o jogador médio tem uma preguiça gigantesca de se informar sobre como o seu hobby funciona. Cinéfilos em geral entendem tanto de Hollywood quanto de técnicas básicas de filmagem. Fãs de música podem até não tocar um instrumento, mas conhecem os meios de distribuição e a dinâmica básica de uma banda, orquestra ou composição, de acordo com suas preferências. Já jogador se incomoda um monte só de pensar em mercado, desenvolvimento de jogos ou distribuição. Só se preocupa com os resultados e os preços, e dane-se o processo.

Chega de tanto impostoO problema é que preços não surgem do nada. Já expliquei aqui que, se você exige que um governo lhe dê um monte de coisas “de graça” (quando não existe almoço grátis), vai ter que engolir um monte de imposto encarecendo seu jogo, sim. Isso foi em 2011, muito antes da crise atual, mas quem acompanhava os rumos do país já sabia que podia acontecer. E em cinco anos, noto que muita gente ainda não aprendeu aquela lição básica, quanto mais as seguintes.

Vou dar um exemplo prático. Semana passada, o nosso Banco Central fez operações de 15 bilhões em dois dias, em sua maior intervenção no mercado desde 2005, para conter a queda do dólar. Repito: conter. O dólar estava caindo pelas perspectivas do impeachment seguir adiante – o que acabou acontecendo – mas algumas empresas investiram na alta do dólar e temiam perder reservas. Entre elas, estava a JBS, uma das maiores doadoras da campanha do governo atual, que tem alguma influência no Banco Central. Além disso, o BNDES é dono de 1/3 do capital da JBS, uma das maiores beneficiadas da política de “campeões nacionais” do mesmo governo. Percebem as ligações? É por elas que o dólar está a R$ 3,50 em vez de R$ 3,30 ou menos agora.

Ainda assim, o que não falta é jogador que nem lê jornal direito defendendo esse mesmo governo enquanto reclama de jogo custar R$ 280 no lançamento (e pior, alguns pagam). Síndrome de Estocolmo em grau over 9000.

Sempre disse a amigos que ter jogos como hobby e defender políticas econômicas de esquerda é como ser judeu e defender o nazismo, mas hipérbole à parte, a coisa está chegando às vias do absurdo. Não se trata mais de ser enganado ou não por uma ideologia, e sim de enxergar fatos. Os motivos dos preços altos estão sendo jogados na nossa cara todos os dias, o tempo todo, e mesmo assim uma boa parcela insiste em ignorá-los.

O inimigo agora é outro

anatel banda largaNão é à toa que o presidente da ANATEL não tem medo de atirar na gente. Ele sabe que vamos nos irritar com ele agora, mas muitos vão continuar culpando a “ganância das grandes corporações” – sem entender que a ANATEL é a corruptora da história toda, o capo que dirige a máfia, que cria o ambiente de terror e faz com que as lojas capitulem e paguem a grana de “proteção”. Sem ANATEL e/ou governo com poder para “regular” cada coisinha nas operadoras de Internet, não há quem possa cobrar propina, e as operadoras vão precisar achar outro jeito de competir.

O texto que escrevi há cinco anos falava mais de impostos e arrecadação, e apenas citava Estado mínimo meio que de passagem. Esse caso da ANATEL é um exemplo direto e prático desse aspecto que não cobri direito antes. Para entenderem melhor, aí vai outro fato não tão difundido: a Verizon, uma das maiores operadoras de telecomunicações americanas, passou um tempo estudando entrar no mercado brasileiro. Ela teria que investir pesado na própria estrutura, mas estava disposta a “casar” o dinheiro. Acabou desistindo não pela bufunfa, mas pelo tempo que levaria, graças à bur(r)ocracia: licenças municipais, estaduais e federais, prazos gigantes para aprovar algo, regulação até para a hora em que se pode ou não espirrar durante a instalação de uma antena.

Brasil-internetEmpresas locais que não “herdaram” infraestrutura das privatizações, como a TIM, estão até hoje sofrendo para conseguirem expandir sua cobertura e infraestrutura, pelos mesmos motivos. Imaginem agora uma empresa “virgem” nesse ambiente. A Verizon levaria 10 anos, pelo menos, para conseguir desenvolver o que pretendia, e ninguém investe zilhões para começar a recuperar dinheiro apenas 10 anos depois e entrar “no verde”, se tudo der certo, em 15. E aí vocês percebem para que regulações realmente servem: matar a concorrência. Não é à toa que grandes empresas com frequência são as maiores interessadas em mais regulação: elas têm o capital financeiro e humano para segurar a onda, mas sabem que novos concorrentes vão sofrer muito mais para lidar com isso.

É para isso que a ANATEL existe: para que o governo possa ter poder de barganha com grandes empresas. Não para “proteger” você, consumidor, até porque agências não têm incentivo inerente algum para isso. Um dos maiores erros do pensamento pós-moderno é o sentimentalismo, é se ressentir de um fato racional da vida: empresas não são entidades metafísicas, elas existem para ganhar dinheiro provendo serviços e produtos. O maior incentivo que elas têm para serem “éticas” é manter seus consumidores agradando-os. Em um ambiente livre, a concorrência é esse incentivo: quem está insatisfeito procura outra empresa. Você não deveria ter que esperar que Vivo, NET ou Oi sejam “boazinhas” com você porque é a “coisa certa” a se fazer, e sim porque se elas não forem “boazinhas”, você cai fora.

Instaure qualquer forma de limitar a concorrência, mesmo que pareça benigna na superfície, como regulações em excesso, e qualquer incentivo pró-consumidor acaba. Operadoras formam cartéis e não precisam mais agradar – só há um punhado mesmo, e “são todas iguais”, né? Pois é. Uma agência reguladora poderia impedir isso? Em tese, sim. Mas na prática, qual o incentivo? Ter um cartel significa uma fonte segura de propina e poder para a agência e o governo que a criou/administra. Não ter cartel significa perder isso. Ela tem dinheiro, poder e votos como incentivo para não te proteger, enquanto o único “incentivo” que ela tem para te proteger é “fazer a coisa certa”. Por isso que é bobagem dizer coisas como “ah, mas o problema é a falta de ética”. Não é. O problema é optar pela solução administrativa – agências e regulação em cima de regulação – que incentiva tudo, menos a ética.

TIMNão é coincidência que a única operadora de telefonia que se declarou contra os limites de franquia seja justamente a TIM, que não comprou infraestrutura estatal nem participou diretamente da criação da ANATEL. Também não é coincidência que ela não seja a maior operadora (é a quarta em faturamento, atrás de Vivo, NET/Claro e Oi) nem a com o melhor serviço, já que tem que enfrentar todos os dias a burocracia e a vigilância da ANATEL para se expandir, enquanto as concorrentes compraram infraestrutura estatal a troco de banana e já estão alinhadas com o capo da máfia há mais tempo.

Agora imagine se tivéssemos cerca de 90 operadoras no país, como nos EUA, em vez de umas “meia-dúzia de seis”, graças às licenças e burocracias. Quantas TIMs existiriam? Quão melhores seriam as chances de termos algumas que conseguissem superar esse desafio que a TIM não consegue?

Pare. Simplesmente pare.

Resumo da história: se você vai tomar imposto alto na fuça enquanto querer que o governo te dê tudo “de graça”, vai também continuar tomando cartel lhe cuspindo na cara enquanto insistir que tudo “precisa ser regulado” para “lhe proteger”. Você não precisa de proteção. Você não é coitadinho. O que você precisa é ter a opção de mandar uma banana para a empresa que lhe tratar mal e migrar imediatamente para outra, sem complicações. Você precisa de infraestrutura, e ela só vai vir quando o governo parar de atrapalhar e deixar isso nas mãos de quem sabe fazer: as empresas de tecnologia, não um bando de burocratas estatais.

MartaJogosCulturaVocê, jogador, precisa largar o controle um pouco – só um pouquinho – e entender quem é o seu verdadeiro inimigo: não quem faz o jogo que você pode ou não comprar, nem quem lhe “aluga” as ferramentas (boas ou ruins) para jogar na Internet, e sim quem quer limitar as duas coisas, por qualquer motivo. Seja esse “quem” o acadêmico que chama o seu hobby de “baixa cultura”, seja o político que te promete mundos e fundos usando seu próprio dinheiro via impostos. Para contra-atacar o primeiro, é preciso aprender mais, ir além do que te empurram na escola e na faculdade, e publicar suas próprias contra-teses; para eliminar o segundo, é preciso diminuir o Estado e limitar seus poderes.

Mesmo que tudo isso dê preguiça, faça o mínimo: pare de votar em estatistas. Não há outro jeito. Vote em estatistas e a culpa dos jogos a R$ 280 e da limitação de franquias será sua, exclusivamente sua. Você continuará a ser estapeado na cara pelos Joões Rezendes da vida e não terá moral alguma para revidar. Sinto muito.

EstatismoInteressePublico

4 comentários sobre “TILT: ANATEL, o verdadeiro capo da máfia

  1. Adicionalmente, o timing dessa treta é essencial: nada como mudar o foco da discussão para algo que vai impactar diretamente na vida das pessoas. Em dois meses ninguém vai postar mais uma linha sobre o Cunha no Facebook e assim todos saem ganhando. Exceto o povo, mas não é como se isso fosse trazer consequências para eles.

    Curtir

    1. Seu raciocínio geral de desvio de atenção foi correto, mas o exemplo que deu foi um chute para o gol que não só passou longe, como conseguiu a proeza inédita de voar para fora do estádio. Por vários motivos:

      1. Quem está berlinda agora é Dilma e o PT. O timing é deles.

      2. Direcionar a indignação popular contra grandes empresas serve mil vezes mais ao discurso de Dilma e PT do que ao do Cunha ou do PMDB como um todo.

      3. Em dois meses, Dilma vai estar afastada do cargo ou “renunciada”, e Lula fora do país ou preso. Isto é, menos dois peixes grandes para “roubarem espaço” da indignação contra o Cunha.
      (3b. E se por algum milagre ou manobra jurídica que rasgue a Constituição ambos estiverem ilesos, Cunha será um alvo direto de vingança deles)

      4. Em dois meses, o PT vai ser efetivamente oposição de novo. Se Cunha ainda não tiver sido cassado, jamais que a militância vai deixar o nome dele “morrer” no Facebook, no Twitter, nos blogs pagos pelo governo, em suas colunas na Folha… Não importa o que aconteça. Podem jogar uma bomba atômica aqui que eles estarão lá gritando “Fora Cunha!”.

      5. Quem tem bandido de estimação é a esquerda. A imensa maioria de quem é pró-impeachment é a favor de cassar qualquer corrupto, Cunha incluso – até porque a corrupção dele veio do esquema montado pelo PT, de quem foi aliado por anos e anos. Eu e toda essa maioria vamos estar lá no Facebook pedindo a cassação de Cunha depois dos problemas maiores (Dilma, Lula, Renan e talvez Temer) serem resolvidos. Primeiro os chefes do tráfico, depois os tenentes, e por último o gerente da boca que resolveu se rebelar e delatar os chefes.

      Esse discurso que depois do impeachment a Lava Jato e afins vão morrer é historinha dos chefes do tráfico (PT) para tentarem se salvar. Vai todo mundo rodar, um de cada vez, na ordem de importância e escala de corrupção devida.

      Curtir

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s