Rumor: Lista de jogos de Xbox One a serem mostrados na E3

Conferência da Microsoft na E3 2013
Mais X-bone para nóis

Ao pesquisar sobre o vazamento da conferência da Sony na E3, descobri que também tinha vazado algo sobre a da Microsoft. E veio em uma hora crucial aqui, em que estava contemplando a possibilidade de passar a régua e pegar o Xbox One – o que acabou acontecendo, como quem acompanha o meu canal no Twitch ou no YouTube já percebeu (aguardem artigo para breve e fiquem atentos ao próximo Godmode Drops). Assim como no vazamento da Sony, o que chama a atenção na lista é ser bem plausível – embora mais uma vez eu tenha ressalvas diretas, por estar traduzindo um dos jogos mencionados e ter recebido conteúdo diferente do que os boatos dizem.

De qualquer forma, mais uma vez, se metade for verdade já será o suficiente para agradar qualquer fã do console que seja um pouquinho eclético nas suas escolhas de jogos. Considerando que ambos os rumores estejam 100% corretos, a conferência da Microsoft talvez seja um pouquinho mais previsível, mas ainda assim tem de tudo – jogos digitais e em disco, sequências e IPs novas, estúdios consagrados e novos, relançamentos e apostas altas. Confiram aqui a lista com meus comentários e expectativas pessoais:

1ª Parte: Os já anunciados/vazados/esperados

Na lista da Sony, quase todos os jogos “previsíveis” já tinham sido anunciados; já no caso da Microsoft tem algumas coisas ainda não confirmadas, porém esperadas:

> Forza Horizon 2

Suposta arte conceitual de Forza Horizon 2 (X360/XONE)
Suposta arte conceitual de Forza Horizon 2 (X360/XONE)

De novo feito pela Playground Games com “assessoria” da Turn 10, criadora da série Forza principal, a sequência do spin-off Horizon já vinha sendo especulada desde janeiro. Segundo os rumores, se passará nos estados americanos Louisiana, Missisipi, New Mexico, Texas e Arkansas; terá ciclo de noite/dia e mudanças de clima em tempo real; e conterá cerca de 80 horas de conteúdo solo. Quem jogou o original no Xbox 360 sabe que era uma maravilha técnica, com o visual esperado da série Forza em um mundo aberto a 60 fps, então é de se esperar um showcase de respeito no Xbox One. E o que mais importa: Forza Horizon era um ótimo jogo, mais “relaxado”, estiloso e divertido do que a série principal, então basta manter o nível e “estuprar” o console que vai ser bom.

Halo 5

Os rumores dizem apenas que ganhará uma data de lançamento, sem menção a trailers ou qualquer outra informação. Com isso em mente, imagino que sairá apenas no final de 2015 – ainda mais considerando os boatos de relançamento de Halo 2 este ano.

Sunset Overdrive

Tela de Sunset Overdrive (Xbox One)
Ataque epiléptico a caminho

Um jogo que com certeza estará na conferência desse ano, já que foi anunciado ainda em 2013 e mostrado para a imprensa em previews na semana passada. A impressão geral foi bastante positiva, o que aliviou um de meus medos: que a Insomniac Games estivesse em decadência após lançar o mediano Fuse. Pelo visto até agora, não preciso me preocupar. Sunset Overdrive será um jogo de tiro em terceira pessoa, cooperativo e em mundo aberto, com parkour, as armas malucas características da Insomniac, o visual colorido e criativo da série Ratchet & Clank e inspiração de… Jet Set Radio!

Se conseguirem capturar o espírito da série da Sega ao mesmo tempo em que atualizam a movimentação (um tanto datada hoje) e a câmera (apenas levemente melhorada no remake HD), e casar bem tudo isso às outras características e referências citadas… Justificaria a alegação da Insomniac de que se trata da “culminação do que temos feito nos últimos 20 anos”. A única coisa que me incomodou foi o pouco de narrativa divulgada, baseada em clichês idiotas do tipo “corporação malvada transforma pessoas em mutantes usando energéticos!” (porra, DmC de novo? :P). Mas se os outros elementos funcionarem… Dane-se a história. Do nada, Sunset Overdrive passou a ser o jogo de Xbox One com as maiores expectativas da minha parte. E sai já em agosto ou setembro!

Gears of War: Lazarus

Um boato que já está rolando há algum tempo, e como a Microsoft anunciou oficialmente que comprou a franquia Gears of War da Epic, é certo que teremos mais um jogo dela, seja ele o tal Lazarus ou não. Está a cargo da Black Tusk Studios, que supostamente irá mostrar um trailer apenas com computação gráfica, sem gameplay. O estúdio nasceu da Microsoft Vancouver e não sabemos o que esperar deles, mas a Microsoft contratou o produtor executivo e diretor de produção dos três primeiros Gears of WarRod Fergusson, então um mínimo de qualidade deve ser mantido. O negócio é se Lazarus, ou seja lá qual for o nome do jogo, vai conseguir vencer a fadiga da série com novidades mais substanciais do que as apresentadas em Gears of War: Judgment – hoje, um dos jogos exclusivos de Xbox 360 mais baratos do mercado no Brasil, chegando a meros R$ 30 em promoções. Não estou esperando grandes coisas, mas nunca se sabe.

Fable Legends

Personagens de Fable Legends (Xbox One)
Fable indo em nova direção, cooperativa e assimétrica

Já anunciado na E3 do ano passado, Legends teria trechos breves de gameplay exibidos este ano, e nenhuma menção a data de lançamento. Em tese, a série Fable está tão desgastada quanto Gears of War, mas pelo que já foi divulgado oficialmente sobre o jogo, vale depositar mais esperanças: se Legends for ruim, não será por falta de novidades. O jogo se concentra em uma jogabilidade multiplayer cooperativa e assimétrica para cinco pessoas, em que uma assume o papel de vilão, prepara as armadilhas e escolhe o posicionamento e a agressividade dos inimigos ou chefes que os quatro heróis enfrentarão. Ao que parece, o jogo será essencialmente um dungeon crawler, sem muita interação em vilarejos, compra de propriedades e outros afins da série – mas isso pode até ser bom. Afinal, o universo de Fable atingiu um ápice na ótima história de Fable: The Journey, “desperdiçada” em um jogo que não recebeu a devida atenção por exigir Kinect (algo compreensível, infelizmente) – tanto que Legends se passa antes do primeiro Fable. O preocupante é que o combate nunca foi o forte da série, e se não for substancialmente aprimorado para Legends, o jogo não se sustentará. Estou aqui de dedos cruzados.

> Novo título para Kinect/família da Frontier Developments

Considerando que o Kinect 2.0 ainda está com poucos títulos dedicados a ele, mesmo no segmento infanto-juvenil/familiar, não é nenhum surpresa ler um rumor de que a Frontier Developments, responsável por KinectimalsKinect Disneyland AdventuresZoo Tycoon, esteja com outro título engatilhado para o Xbox One. E claro, meu único interesse é saber se será traduzido para o português (muito provável) e se virá para as minhas mãos (eu trabalhei na reedição de KinectimalsNow With Bears – trabalho é trabalho e dinheiro é dinheiro, quem sou eu para recusar?).

Quantum Break

Imagem de Quantum Break (Xbox One)
Imagem da E3 2013 – será que ficará ainda melhor?

Outro anunciado na E3 do ano passado, o novo jogo da Remedy (Max Payne, Alan Wake) com certeza aparecerá de novo este ano. As novidades sobre ele seriam a data de lançamento, novembro deste ano; que teria um modo multijogador; e que se trata da 1ª parte de uma trilogia – algo previsível, ainda mais considerando a sua integração com uma série de TV. Além disso, os boatos dizem que o jogo recebeu “uma atualização gráfica significativa” desde então. Não seria uma grande surpresa, já que as imagens mostradas até então tinham cara de console de nova geração, mas não eram tão impressionantes quanto um Killzone: Shadow Fall ou mesmo um Crysis 3 no Máximo no PC – e a Remedy já provou com Alan Wake que consegue tirar leite de pedra em um hardware “fechado”, e com certeza poderia fazer melhor do que aquilo no Xbox One. Além disso, para um título pensado como “quebra de barreira” entre jogos e séries de TV, todo salto gráfico contribui. Essa é uma das minhas maiores apostas para o Xbox One, e saber que ela pode sair ainda em 2014, assim como Forza Horizon 2Sunset Overdrive, justificam a aquisição do console desde já.

> Novo jogo da Twisted Pixel

Sem confirmação até agora, mas ninguém tinha dúvidas de que o estúdio de Explosion ManThe GunstringerLococycle está trabalhando em algo novo após ser adquirido pela Microsoft. Tudo o que vazou foi que se trata de um jogo com distribuição digital e temática de ficção científica, em um planeta chamado Dekelsus, e que provavelmente será um jogo de plataforma “2.5 D”. Nada disso responde a principal pergunta: será que finalmente vão fazer algo que preste após as duas últimas bombas que lançaram? E justamente após serem comprados pela Microsoft?

 μ$ χβΘχ

2ª Parte: Relançamentos, reboots e DLCs

Como escrevi no artigo sobre o vazamento da conferência da Sony, relançamentos e reboots são parte inescapável do universo dos games hoje em dia, mas no caso dessa conferência da Microsoft dois dos três rumores são realmente surpreendentes – a ponto de me fazerem duvidar mais da veracidade dessa lista do que a da Sony. Vejam só:

Halo 2 Anniversary

Capa fake de Halo 2 Anniversary (Xbox One)
Capa não oficial, obviamente

Esse, claro, é o boato mais razoável, e que já vinha circulando há muito tempo. Também faz sentido considerando que relançar os jogos iniciais da série é um jeito relativamente simples de ter um Halo todo ano sem desgastar demais a série principal. E convenhamos, Halo Anniversary é um dos remakes mais interessantes desde sempre, preservando completamente a jogabilidade do original – a ponto de permitir a transição entre os gráficos refeitos e os originais com o simples aperto de um botão. Segundo os rumores, Halo 2 Anniversary está sendo feito pela mesma 343 Industries, terá as mesmas exatas opções do remake anterior, e incluirá como item desbloqueável a missão apresentada na E3 2003 e os mapas extras da versão para PC. Basta a 343 conseguir “espremer” o Xbox One ao seu máximo na parte visual e será compra certa, mesmo considerando o final polêmico do jogo original (bom, compra certa pelo menos para mim, que não o joguei na época mas já joguei Halo 3 no Xbox 360).

Battletoads – e pela Rare!

Aqui é que o bicho começa a pegar – a parada é séria, ou vamos engolir sapo? (#badumtiss!) Não há muitos detalhes além de que seria um título distribuído digitalmente, a la Killer Instinct, e rodando a 60 fps. Mas o difícil de acreditar mesmo é a segunda parte – feito pela Rare? Aquela mesma que não faz mais nenhum jogo desse tipo há muitos, muitos anos, e que é basicamente outro estúdio com o mesmo nome? E mesmo que seja verdade, será que eles têm cacife hoje de encarar o reboot de um dos jogos mais filhadaputamente difíceis da história? Bom, se a desacreditada Double Helix conseguiu acertar com Killer Instinct, uma série cuja qualidade (ou falta de) sempre esteve aberta a debate já desde o primeiro jogo, tudo é possível. A única certeza que eu tenho é que se esse rumor for verdadeiro, é capaz de vender console como nenhum jogo exclusivamente digital jamais fez no mercado. Seria algo esquisito, mas bonito de se ver.

Perfect Dark – e de novo, pela Rare!

Capa fake de Perfect Dark (Xbox One)
Também não oficial, claro

Depois da suposta volta de Battletoads, a gente pode engolir qualquer coisa. E na verdade, a ideia em si de “rebootar” Perfect Dark faz um pouco de sentido: mesmo considerando que a Rare não é mais o mesmo estúdio, é bem mais plausível imaginar a Microsoft despejando dinheiro para contratar profissionais com experiência em shooters modernos para a tarefa. Os rumores, porém, são um verdadeiro pé no freio: ao que parece, o reboot seria um jogo de aventura em terceira pessoa, inspirado em… Uncharted. Aí a porca torce o rabo. Antes que alguém lembre do Tomb Raider de 2013, o jogo foi feito pelo mesmo estúdio que vinha trabalhando na franquia há anos, e que quando finalmente recebeu um orçamento de primeira linha chegou ao seu ápice. E bem ou mal, Perfect Dark tem apenas dois jogos (um de qualidade mais discutível), não diversos títulos com boas ideias a serem reaproveitadas e reimaginadas como Tomb Raider. Além disso, estamos falando da Rare que faz Kinect Sports e afins – e como jogos de aventura em terceira pessoa são um tanto mais complicados do que shooters, talvez não seja tão simples resolver o problema apenas contratando galera. Se há um rumor aqui em que não apostaria nenhuma ficha, é esse. Vamos ver se me fazem quebrar a cara.

μ$ χβΘχ

3ª Parte: As surpresas

Mesmo as “surpresas” do vazamento sobre a conferência da Microsoft podem não ser assim tão surpreendentes para alguns, mas vamos ao que temos. Pelo menos há IPs novas misturadas no meio, ainda que nas mãos de estúdios novos, sem histórico que possamos avaliar:

Ryse 2

“Surpresa aonde?”, alguns devem ter pensado. Bom, coloquei-o aqui por dois motivos. Primeiro, Ryse foi mal recebido pela crítica, não vendeu tão bem assim, e foi desenvolvido pela Crytek, que em tese deveria estar mais preocupada com outras coisas, como seu jogo free-to-play de PC Warface (já confirmado para Xbox One). Mas vai saber – o dinheiro é da Microsoft, né? Segundo, os detalhes sobre esta sequência são um tanto inesperados. De acordo com os boatos, ela não se passaria na Roma antiga de novo, e sim na era medieval, incluindo um protagonista mercenário “com um destino maior”. Também teria “maior liberdade de exploração” e um sistema de combate “mais refinado” – sem menção a Kinect, mas não me espantaria se o acessório fosse quase completamente descartado dessa vez. Também teria um visual “inacreditável”. A suposta data seria “possivelmente final de 2016”, o que contrabalança um pouco a questão das prioridades da Crytek. Mesmo com lançamento tão distante, parece que um trailer com jogabilidade será mostrado.

> Novo jogo da Epic, baseado na famosa demo técnica Samaritan

Imagem da demo técnica Samaritan
E isso ainda era na Unreal 3!

Alguém aí esqueceu daquela demo de cair o queixo que a Epic mostrou na GDC de 2011? Não, né? Vale lembrar: a demo ainda usava a Unreal Engine 3, não a 4, que estreeou em um produto comercial com o lançamento recente de Daylight. Mesmo em uma versão anterior da engine e contendo apenas CGI, a demo mostrava efeitos visuais que ainda não vimos totalmente nem nos títulos mais avançados da nova geração, como Killzone: Shadow FallinFAMOUS: Second Son.

Embora seja temeroso acreditar que uma demo técnica vire jogo um dia, nesse caso faz bastante sentido: desde Gears of War 3, em 2011, a Epic não lança nenhum jogo, e tem apenas Fortnite como título formalmente anunciado – um jogo que não deve ser a melhor opção para mostrar todo o poderio visual de uma nova versão da engine. Além disso, a Epic tem pelo menos duas subsidiárias capazes de fazer e/ou ajudar em títulos de ponta para jogadores dedicados, a Chair Entertainment (Infinity BladeShadow Complex) e a Epic Games Poland (ex-People Can Fly, de PainkillerBulletstorm e o último Gears of War); logo, a falta de games além de Fortnite não se justifica. Mesmo que não seja algo baseado na demo Samaritan, é uma boa aposta acreditar no anúncio de um jogo novo da Epic.

Echoblack

Surgido do nada, Echoblack supostamente estaria nas mãos da Good Science Studio (Kinect AdventuresKinect Star Wars) e seria um jogo de aventura baseado no conceito de “ecolocação”, ou o uso de som para localizar o posicionamento de objetos. Segundo os boatos, a “vibração” do mundo (no sentido de variedade) muda de acordo com o tom, o volume e a posição da voz do jogador – ou seja, obviamente usa o Kinect. Embora o estúdio não tenha um histórico lá muito confiável, o conceito é intrigante o suficiente para aguçar o meu interesse. Vamos ver.

> Novo projeto da Lionhead

Logotipo da Lionhead StudiosSim, a mesma Lionhead responsável por Fable, e somente Fable, nos últimos não sei quantos anos. Não é tão espantoso assim se consideramos que o estúdio está em franca expansão, contratando gente nova a rodo, desde que Peter Molyneux abandonou o barco. O título novo se passaria em uma “Terra pós-cataclisma, decimada por objetos em forma de ovo (possivelmente alienígenas)”. Nenhuma menção a jogabilidade, perspectiva ou estilo visual, ou se teria o humor britânico característico do estúdio (eu apostaria que sim – “objetos em formato de ovo”?). Apareceria apenas com um teaser após a apresentação de Fable Legends. De novo, vamos ver.

Phantom Dust: Sacrifice

Um prequel para Phantom Dust, um jogo ação e estratégia para Xbox (o inicial!) sobre o qual confesso nunca nem ter ouvido falar. O pedigree é ter sido dirigido por Yukio Futatsugi, responsável pelo aclamado Panzer Dragoon – e Phantom Dust não ficou muito atrás, com média 81 no Metacritic. O novo título da série estaria sendo desenvolvido pela Grounding Inc., estúdio fundado pelo mesmo Futatsugi, então espera-se que envolva pelo menos alguns dos mesmos profissionais do original. Pesa contra o estúdio, porém, a recepção medíocre de Crimson Dragon, “sucessor espiritual” de Panzer Dragoon lançado para Xbox One em 2013. Pela terceira vez, sem medo de soar repetitivo: vamos ver.

> Novo(s) jogo(s) da Platinum Games

Platinum GamesJá faz um tempo que circulam rumores de que a Platinum estaria desenvolvendo um título exclusivo para Xbox One, o que não é tão surpreendente em si, mas os boatos neste vazamento deixam a coisa mais inesperada. Segundo o rumor, o jogo seria um beat’em up na linha de Viewtiful Joe – algo crível, já que o diretor Hideki Kamiya está “parado” desde que entregou The Wonderful 101 para a Nintendo (ao contrário do que se imaginaria, ele não está dirigindo Bayonetta 2). Mais: o tal jogo seria parte de um contrato para “múltiplos títulos” com a Microsoft. Minha confiança na Platinum é absoluta, então não duvido que o jogo seja pelo menos bom. Agora, se eles vão trabalhar para a Microsoft pelos próximos anos, já é motivo mais que suficiente para apoiar totalmente o Xbox One, mesmo que os jogos não vendam muito (o que infelizmente é uma constante na Platinum, também). Se for verdade, belíssima jogada, Microsoft – e um grande vacilo, Sony e Nintendo. Engulam essa.

Crackdown: Skyline

Bom, se a Sony precisa tanto de mais exclusivos para PS4 a ponto de supostamente desencavar Syphon Filter, não é tão estranho assim que a Microsoft “reviva” Crackdown. Pessoalmente não tenho o amor pelo primeiro jogo que muitos “caixistas” e jornalistas têm (e nem encostei no segundo, considerado mais mediano), mas o conceito-base faz por merecer uma nova tentativa em um hardware mais poderoso: mundo aberto, ficção científica, super-herói… O negócio é que não há mais nenhuma informação, nem mesmo quem está desenvolvendo, além de previsão para 2015 e publicação pela Microsoft Studios. Como já se tornou um refrão nessa parte de surpresas: vamos ver.

μ$ χβΘχ

“Raspa do tacho”

Games With Gold na E3 2013 da Microsoft
Games With Gold finalmente chegando ao Xbox One?

Na boataria, ainda há mais coisas exclusivas mas quase sem informações, como dois jogos digitais da Lift London (estúdio especializado em jogos para tablets, smartphones e serviços de nuvem, fundado por um ex-desenvolvedor da Rare) e um híbrido de tiro em terceira pessoa e RPG de ficção científica inspirado em Mass Effect, desenvolvido por um estúdio interno da Microsoft que acaba de ganhar nome próprio, Leap Experience Pioneers. Tem também a Platform Next, estúdio novo que estava contratando em 2012 para “experiências pioneiras com o Kinect” e apresentaria uma demo técnica baseada em um cenário medieval e/ou de fantasia.

No front das third-parties, não há uma lista supostamente fechada de produtoras, mas sim de jogos: The Division seria apresentado com o Xbox One como “plataforma-base” (como acontece hoje com Assassin’s Creed nas conferências da Sony, por exemplo); Call of Duty: Advanced Warfare obviamente estaria lá; Fallout 4 seria oficialmente anunciado; e um jogo novo da EA ainda não especificado também daria as caras. Todos os quatro teriam DLCs exclusivos, permanentemente ou por um período definido, no Xbox One. Além disso, a Microsoft anunciaria a data em que o console poderá ser transformado em um kit de desenvolvimento (no máximo em outubro) e a chegada, finalmente, do serviço Games With Gold ao Xbox One – disponível de imediato e com um jogo “de varejo” por mês e um jogo digital à escolha entre dois títulos disponíveis, também mensais. É uma sacada boa que a Sony ainda não teve, então se for verdade, será interessante ver como ela irá reagir.

E aí, o que acharam? Embora haja mais coisas duvidosas e alguns títulos sem muita perspectiva de qualidade, ainda é uma lista maior que a da Sony – e coisas como Sunset Overdrive e jogos da Platinum são mais empolgantes do que praticamente tudo “do lado de lá” (só Project Beast se compara). Parece que comprei o meu Xbox One em um bom momento… Comentem!

2 comentários sobre “Rumor: Lista de jogos de Xbox One a serem mostrados na E3

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s