Teaser: Melhores do ano? Toma 50 para começar

Melhores de 2013 Re: GamesEste ano pensei seriamente em não fazer nada sobre supostos melhores jogos do ano por pura falta de tempo, mas… É um vício, uma mania difícil de largar. E bem ou mal sempre serve para divulgar jogos para alguns leitores. Infelizmente, o tempo está muitíssimo apertado (basta ver há quanto tempo o blog não é atualizado), então este ano não vai rolar 30-40 “miniresenhas” como em 2012. Para piorar, 2013 foi sui generis aqui: nunca tive tantas plataformas diferentes (faltando apenas os recém-lançados PS4 e “Xbone”), e com isso pude “saborear” muito mais candidatos a jogos importantes de 2013… Mas acabei terminando menos jogos do que em 2010, 2011 e 2012. Além do excesso de coisas, dei preferência a alguns clássicos, como The Legend of Zelda: Ocarina of Time, e ainda teve o “efeito Persona“: entre a versão Portable do 3 e a Golden do 4, foram mais de 240 horas de jogo, o suficiente para terminar outros vinte jogos de duração “comum”.

Ainda assim, dá para fazer uma eleiçãozinha pessoal. Para me inspirar, comecei como no ano passado, filtrando tudo que adquiri para chegar a uma pré-lista de 50 jogos. Notem que valia apenas aqueles que experimentei por pelo menos algumas horas. Outros até cheguei a adquirir, recentemente ou não, mas como ainda nem encostei neles, obviamente ficaram de fora. Isso vale especialmente para jogos de menor porte comprados no Steam, como AntichamberGone Home, Amnesia: A Machine for PigsShadowrun ReturnsAnomaly 2, Kentucky Route Zero, The Swapper, Slender: The Arrival Stick it to the Man!, mas também expansões/sequências de jogos de anos anteriores que ainda não terminei, como XCOM: Enemy Within, Metro: Last LightDead Space 3Pikmin 3The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (e sim, estou jogando A Link to the Past atualmente). Isso sem contar casos que nem eu mesmo sei explicar porque ainda não joguei, como Killer is Dead (peguei edição de colecionador e tudo mais!), Tales of Xillia e Mario & Luigi: Dream Team. Tem até jogo que não chegou ainda (parabéns Correios!), como Etrian Odyssey Untold: The Millenium GirlGran Turismo 6.

Isso dito, aí vai a pré-lista, com os jogos em ordem de lançamento (e não se esqueçam que até as postagens de Melhores de 2013, posso jogar/terminar mais coisas e alterar essa pré-lista). Se vocês sentirem falta de mais algum jogo, perguntem nos comentários para saber se achei ruim/medíocre/insuficiente para entrar aqui, ou se simplesmente não tive a chance de jogar. Ou então comentem sobre aquele jogo que estiverem a fim, sei lá. Vamos botar os jogos na roda!

  1. Anarchy Reigns (PS3/X360)
  2. DmC (PC/PS3/X360)
  3. Ni no Kuni: Wrath of the White Witch (PS3)
  4. Fire Emblem: Awakening (3DS)
  5. Metal Gear Rising: Revengeance (PC/PS3/X360)
  6. Crysis 3 (PC/PS3/X360)
  7. Etrian Odyssey IV: Legends of the Titan (3DS)
  8. Bit.Trip Presents… Runner 2: Future Legend of Rhythm Alien (iOS/PC/PSN [para PS3 e Vita]/eShop [para Wii U]/XBLA)
  9. Tomb Raider (PC/PS3/PS4/X360/X1)
  10. God of War: Ascension (PS3)
  11. LEGO City Undercover (WiiU)
  12. Gears of War: Judgment (X360)
  13. Bioshock Infinite (PC/PS3/X360)
  14. Guacamelee! (PC/PSN [para PS3 e Vita])
  15. Injustice: Gods Among Us (And/iOS/PC/PS3/PS4/Vita/WiiU/X360)
  16. Pandora’s Tower (Wii)
  17. Don’t Starve (PC/PSN [para PS4])
  18. Soul Sacrifice (Vita)
  19. Far Cry 3: Blood Dragon (PC/PSN [para PS3]/XBLA)
  20. Call of Juarez: Gunslinger (PC/PSN [para PS3]/XBLA)
  21. Gunpoint (PC)
  22. The Last of Us (PS3)
  23. Project X Zone (3DS)
  24. Rogue Legacy (PC)
  25. Shin Megami Tensei IV (3DS)
  26. Dragon’s Crown (PS3/Vita)
  27. Brothers: A Tale of Two Sons (PC/PSN [para PS3]/XBLA)
  28. SteamWorld Dig (eShop [para 3DS])
  29. Payday 2 (PC/PS3/X360)
  30. The Bureau: XCOM Declassified (PC/PS3/X360)
  31. Divekick (PC/PSN [para PS3 e Vita])
  32. Tom Clancy’s Splinter Cell: Blacklist (PC/PS3/WiiU/X360)
  33. Saints Row IV (PC/PS3/X360)
  34. Diablo 3 (versão PS3/X360)
  35. Rayman Legends (PC/PS3/PS4/Vita/WiiU/X360/X1)
  36. Outlast (PC/PS4)
  37. Killzone: Mercenary (Vita)
  38. Puppeteer (PS3)
  39. The Wonderful 101 (WiiU)
  40. Grand Theft Auto V (PS3/X360)
  41. Foul Play (PC/XBLA)
  42. Shadow Warrior (PC)
  43. Beyond: Two Souls (PS3)
  44. The Stanley Parable (PC)
  45. Lego Marvel Super Heroes (3DS/DS/PC/PS3/PS4/Vita/WiiU/X360/X1)
  46. Assassin’s Creed IV: Black Flag (PC/PS3/PS4/WiiU/X360/X1)
  47. Battlefield 4 (PC/PS3/PS4/X360/X1)
  48. Need for Speed Rivals (PC/PS3/PS4/X360/X1)
  49. Super Mario 3D World (WiiU)
  50. Tearaway (Vita)

56 comentários sobre “Teaser: Melhores do ano? Toma 50 para começar

      1. Sou fã do Deadpool, joguei e pirei.

        Não por ser fã somente, mas sim pela adaptação.
        Hoje em dia todo mundo só quer gráficos e o caralho a 4…
        Esse jogo é uma das melhores adaptações de games de HQ já feitas.
        Ele quebra a parede entre os quadrinhos e o leitor, e ele faz o mesmo no game.

        A maioria dos sites gringos curtiram o game, e ai a maioria dos sites br’s, acharam uma ‘regular’…
        Eles querem que o jogo do Deadpool seja com poneis alados? A me poupe…

        Curtir

        1. A maioria dos sites gringos curtiu o game

          Cara, não. O Metacritic é só sites gringos e a média do jogo está em torno de 60:
          http://www.metacritic.com/search/all/deadpool/results

          E mesmo que você isole apenas os sites/portais mais conhecidos, a melhor nota que você encontra é 70 no Destructoid e no Polygon, com todo o resto na média (Gamespot 55, IGN 60, Eurogame 60 etc.) ou abaixo (Giant Bomb 40, Edge 30). E aí a média até cairia mais ainda.

          Ótimo que você gostou do jogo, tem jogo nos meus 50 que está com notas parecidas a essas. Mas nem por isso eu vou dizer que “a maioria dos sites gringos” curtiu esses jogos, porque não é verdade.

          Curtir

        2. É um jogo para fãs, pois custa R$199,00 tem uma campanha curta e repetitiva, é extremamente divertido, porque o Deadpool salva o game com suas piadas, o jogo tem varios Easter Eggs engraçados, fora personagens clássicos como o Cable, a Psylocke, a Rogue e o Wolverine que deixam o game divertido. Mas a ambientação é fraca e a história pior ainda. Só para fãs mesmo.

          Curtir

      2. Deadpool é pura comédia e humor negro. Isso tem no jogo, sendo motivo pra ser um ponto positivo, não negativo. O jogo é focado nisso.
        Reclamar do humor em excesso em um jogo do Deadpool é como reclamar do sangue em excesso em um game da série MK, foda-se se isso “atrapalha” a narrativa em certos momento, é o Deadpool caramba, não é pra ter um enredo “genial”. Aliás, reclamar de repetitividade em um hack’n slash é meio estúpido, a questão é fazer essa “repetitividade” divertida.

        Curtir

        1. Registrado, mas ninguém aqui comentou ou afirmou nada isso.

          Sugestão: se for comentar as resenhas alheias, pelo menos ponha um link para os textos originais ou copie trechos. Do contrário, o leitor desavisado pode erroneamente achar que eu ou outro leitor falou essas coisas sobre Deadpool no blog ou em outros comentários quando não é o caso… E se notar que não é o caso, fica parecendo conversa de bêbado😉

          Curtir

          1. Foi mal cara mas é que todo Site ou Blogue que eu vou ver analises do game Deadpool por ai é sempre os mesmos argumentos então eu gostaria de tentar dar a minha opinião sobre o game e ver que tem um outro lado da moeda. Dar a minha opinião a quem não jogou para tentarem dar uma chance ao game e verem que não tão ruim quanto as críticas sugerem.

            Curtir

          2. Não esquenta, tá tudo certo. Mas como eu disse, linka e/ou põe trechos do original.

            Ou melhor ainda, faz um texto e publica em algum lugar. Não adianta muita coisa “enterrar” essa outra opinião sobre Deadpool em uma seção de comentários de um blog desconhecido/de poucos acessos, e em um artigo apenas tangencialmente relacionado. Mesmo que você tenha que abrir um blog próprio ou publique, sei lá, na sua página do Facebook, pelo menos a sua opinião está destacada como um texto sobre um jogo que você gostou, e não perdida aqui no meio de uma pré-lista com 50 outros jogos e vários comentários sobre eles (*E* outros fora da lista). Conselho de amigo😉

            (É exatamente por isso que ainda mantenho esse blog, mesmo sem tempo de atualizá-lo, de promovê-lo e de fazer os acessos subirem… Talvez mude o formato ano que vem para áudio e/ou vídeo, mas isso é papo para daqui a uns meses).

            Curtir

    1. Porque jogo episódico só vou considerar quando sair o último episódio. Mas se o 1º episódio fosse um jogo “fechado”, estaria no meu Top 5 tranquilamente, e talvez nos 3 primeiros.
      Aliás, um raciocínio parecido valeu também para The Walking Dead: 400 Days. Embora seja oficialmente algo isolado entre a 1ª e a 2ª temporada, o conteúdo dele é preparação para a 2ª, que mal acabou de começar.

      Curtir

        1. Será publicado no tempo devido😉 Ou escute o próximo Godmode Podcast (deve sair domingo ou segunda de manhã) com o Godmode Awards 2013, embora meu Top 5 (e menção aos jogos 6 a 10) lá tenha sido escolhido às pressas e possa sofrer mudanças.
          Os 2 primeiros jogos têm sido unanimidade por aí, mas do 3º ao 10º varia bastante.

          EDIT: Eu falei domingo ou segunda? JÁ TÁ NO AR \o/
          http://www.godmodepodcast.com/2013/12/godmode-163-awards-2013.html

          Curtir

  1. Eu já ia perguntar qual tu achou melhor Call of Duty – Ghosts ou Battlefield 4, mas como Battlefield 4 ta na lista de melhores do ano então já sei a resposta.

    Curtir

    1. Pois é… Mas se serve de consolo, o Ghosts passou raspando de entrar. Eu gostei muito do novo universo da equipe dos Ghosts, e a campanha tem momentos de *jogabilidade* interessantes (rapel no prédio em Caracas, infiltração embaixo d’água etc.), embora a narrativa não seja das melhores. E eu passei dezenas de horas já no modo Squads (especificamente no submodo Safeguard, adorei aquilo). Mas ele ficou de fora porque ainda prefiro os mapas gigantes e cheios de veículos do Battlefield, e porque o Ghosts tem um jeitão de jogo acabado às pressas.

      Também não ajudou ter jogado a versão de PS3, que antes dos patches parecia um jogo de início de geração – estava claro que o jogo foi feito para PC/PS4/Xbone e a versão PS3 não tinha sido polida o suficiente. Battlefield 4 ficou cheio de bugs em todas as versões, mas pelo menos na parte de polimento visual/de jogo, a versão PS3 ficou melhor que o jogo anterior, enquanto Ghosts no PS3 toma uma surra de Black Ops II no Wii U e só depois de patches ficou melhor que Modern Warfare 3 no PS3, por exemplo. Só não fiquei puto porque tem aquele programa de inserir um código na PSN e pegar a versão de PS4 por US$ 10 depois, com todos os stats do multiplayer transferidos para a nova versão. Isso fez valer a pena pegar o jogo no lançamento (e eu já NÃO peguei com preço cheio, aproveitei um desconto de 30% no Ricardo Eletro).

      Curtir

  2. Muito boa a lista mas você não acha Gears of War: Judgment e God of War: Ascension não trouxeram tanta inovação quantos os títulos anteriores e que estão tentando apenas espremer feito limão duas franquias que já deveriam ter seus respectivos fins.

    Curtir

    1. Não.🙂

      O ponto deles estarem aqui é justamente por terem conseguido fazer coisas diferentes em cada franquia, mesmo depois de tanto tempo.
      Isso deveria ficar para os posts de melhores de cada categoria, mas já adianto: o Gears novo ficou interessante com os sub-objetivos Declassified e o foco em pontuação, do lado da jogabilidade, e em outro personagem além do Marcus Phoenix, do lado da história.
      O God of War refinou ainda mais um combate que achei que não tinha para onde correr, com o uso de armas temporárias, e surpreendeu onde menos esperava: o multiplayer. Assim como em Assassin’s Creed, é algo que você não esperava dar certo, e não só deu como justamente por ter *funcionado* ficou sem paralelo algum. Não tem nenhum multiplayer parecido no mercado hoje.

      Agora, perceba que isso é o suficiente para eles entrarem em uma lista de *50 jogos*. Considerando o passado dessas franquias, que estavam acostumadas a disputar primeiras posições, isso é pouco. Vamos ver o que fazem nas próximas gerações; God of War tem uma saída relativamente simples – transformar a franquia em uma ideia e fazer jogos sobre o deus da guerra de outras culturas, “aposentando” o Kratos.

      Curtir

      1. “[…]God of War tem uma saída relativamente simples – transformar a franquia em uma ideia e fazer jogos sobre o deus da guerra de outras culturas, “aposentando” o Kratos.”

        Como foi aquela conversa/viagem minha com a Bebs no tempo do Respawn. Seria interessante se virasse uma franquia “God of”, a exemplo de RPG’s japoneses como Mana, Tales of… E sem o Kratos, aí sim eu passaria a jogar God of War.

        Curtir

  3. Não tem para ninguém olha ai Fabio Sooner meu Top 5 do ano:

    1 – The Last Of Us.

    2 – Grand Theft Auto V.

    3 – Assassins Creed IV : Black Flag.

    4 – Tomb Raider.

    5 – Bioshock Infinite.

    Curtir

  4. Eu achei que The Last Of Us iria ganhar o GOTY na VGX mas GTA V está de parabéns, estes dois jogos mostraram que um game feito sem pressa sai com muita qualidade. Espero que empresas que lancem jogos anuais comessem a repensar em laçarem seus jogos principais anualmente. Os gamers não querem mais jogos em sua prateleira e sim jogos de qualidade! PARABÉNS ROCKSTAR E NAUGHTY DOG.

    Curtir

    1. Os gamers não querem mais (…)

      Cuidado com essa mania de querer falar pelos outros. Além de ser um truque barato de retórica, fica bregaço. Parece discurso de político demagogo😄

      E no geral beleza, empresa boa quando tem tempo para trabalhar faz jogos fodas sim. Mas empresas boas MESMO conseguem fazer coisa de qualidade mesmo revezando equipes ano a ano, e taí o Assassin’s Creed IV: Black Flag na sua própria lista que não me deixa mentir.

      (E até agora todos os Assassin’s Creed de console entraram nas minhas listas de melhores do ano em alguma categoria, até mesmo o Revelations e o III).

      O mundo não funciona em regrinhas pré-prontas, muito menos regrinhas cuspidas pela imprensa de games, como essa de automaticamente achar que todo jogo lançado anualmente será ruim ou com certeza ficará pior (a série LEGO desmente isso, só tem ficado melhor, assim como Fifa nos últimos 4-5 anos).

      É claro que para quem é doido como nós e tenta jogar TUDO, encarar a mesma série todo ano uma hora cansa (eu mesmo só terminei AC III semana passada). Mas isso é OUTRO problema, que nada tem a ver com a qualidade de design do jogo. Os Personas estão entre meus jogos favoritos de todos os tempos, mas se eu jogá-los todo ano também vou me cansar deles.

      Curtir

      1. Tenho preferido não opinar quanto a isso, porque sempre fico com a impressão de que ninguém reclamaria de CoD se a imprensa não tivesse levantado a bola de “um jogo por ano cansa”.

        Aproveito pra dizer que eu eu curti todas campanhas dos CoDs clássicos, dos MW, mas quando chegou no Ghost… Não terminei de jogar porque deu algum erro bizarro com a minha placa de vídeo e só rodou até a fase que o avião cai. Uma pena, pq era interessante. Mas eu achei a história chaaaaaata… era piada no inicío, mas o cachorro realmente era a melhor coisa do jogo.

        Curtir

        1. Esse negócio dos jogos anuais ainda vai virar parte de um artigo aqui, na linha “Por que a imprensa de games está perdendo relevância na velocidade da luz”.

          Muito do que eu tenho a dizer sobre isso eu disse em um episódio inteiro do podcast Respawn dedicado apenas a jogos anuais:
          http://www.respawn.com.br/wp/?p=12187

          Mas acho que vale a pena deixar registrado em texto. No mínimo, porque virou lugar comum e um monte de gamers repete sem pensar.

          Curtir

  5. Terminei Gone Home e ele deveria estar nesta lista – apesar de não ser um jogo feito para nós, e sim para a crítica. Sabem quando dizem que um filme “foi feito para ganhar Oscar”? Gone Home foi meticulosamente feito para ganhar a simpatia da crítica… Mas ainda assim é bem feito.

    Só não sei qual tirar. Estou entre Crysis 3 e Call of Juarez: Gunslinger.

    Curtir

    1. Modesta opinião, tira o Crysis: Gunslinger foi uma volta por cima do que Juarez tava se tornando desde The Cartel, mesmo sendo um jogo “menor” (beeeeeeeem entre aspas), enquanto Crysis, apesar de excelente, ele melhorou a qualidade do 2. (e, claro, um pouco de raivinha que tenho da série)

      Curtir

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s