Melhores de 2012 – Shoot Many Robots (PC/PSN/XBLA)

2012
Best of

Este artigo faz parte da série Melhores de 2012, com os games lançados este ano que este humilde (cof) blog considera que devem ser jogados por quem puder. Não vou escolher quem é melhor em categoria A, B ou C, e sim apenas X jogos de destaque, em ordem cronológica, com seus pontos fortes listados. Entenda melhor essa lógica no artigo Melhores de 2012: Experimentando um novo modelo.

Shoot Many Robots (PC/PSN/XBLA)
Disponível para PC, PSN e XBLA. Data de lançamento: 14/03. Preço atual: R$ 17 (PC/Steam)

À primeira vista, Shoot Many Robots é só mais um jogo de run n’ gun, ou progressão lateral 2D com tiro, na linha de jogos antigos como Rush n’ Attack (Green Beret na Europa/Japão) ou Sunset Riders. E sabe o que mais? Essencialmente, é isso mesmo. Não vá atrás dele se estiver em busca de revoluções formais de design ou uma mecânica nova e surpreendente. O que Shoot Many Robots representa é uma tendência de 2012 – a ser refletida em diversos jogos desta lista, fiquem de olho – em que desenvolvedoras menores “pegam” gêneros e ideias que nasceram/se popularizaram na era 3D e acabam aplicando-as em jogos 2D. No caso de Shoot Many Robots, a referência, por conta da ênfase no co-op e em loot drops, é nada mais, nada menos do que Borderlands.

Mesmo quem jogou pode achar a comparação meio forçada, mas vejam bem: é possível jogar em até quatro pessoas; elas não precisam estar exatamente no mesmo nível, mas se a diferença for alta, jogadores podem ter muita facilidade ou dificuldade para destruir os robôs inimigos; há caixas de loot em pontos específicos, que podem dar trabalho para serem alcançados; trocar de arma por outra melhor recém-liberada é uma constante; muita coisa “dropa” dos inimigos; e o jogo tem bastante humor cru e meio caipira. A diferença, além da perspectiva 2D, é que em Shoot Many Robots temos uma invasão de robôs combatida por um bando de rednecks americanos que recuperam vida bebendo cerveja (falei que o humor era caipira, num falei?).


Puzzles - Melhores de 2012Pontos altos

‡ Co-Op   ‡ Design de Fases   ‡ Efeitos Sonoros   ‡ Humor
‡ Sistema de Upgrades   ‡ Trilha Sonora


É claro que tacar mecânicas e ideias de um jogo 3D moderno não seria o suficiente se a Demiurge não tivesse acertado a mão. O co-op funciona tranquilamente, sem lags nem dificuldades de comunicação e criação de jogo. O sistema de upgrades premia o máximo de eficiência possível: além de achar e pegar o loot, é preciso coletar as porcas que caem dos robôs para pagar pelos itens encontrados – o que por sua vez exige destruição contínua para gerar multiplicadores de até 5x mais porcas. Os upgrades em si são bem variados e podem ser combinados para criar “loadouts”, como em um FPS, com variáveis que vão do útil (por exemplo, um cinto para carregar mais cervejas) ao abertamente ridículo (carregar um bebê que não dá bônus nenhum, mas libera uma conquista se você completar uma fase com ele). O design das fases, bastante inspirado em Sunset Riders, inclui fases de progresso lateral com passagens alternativas (o que incentiva o replay, necessário para encontrar todos os itens e juntar as tais porcas) e áreas de contenção de ondas de inimigos, em uma espécie de versão 2D do modo Horda popularizado por Gears of War.

E não acaba aí. O jogo é uma grande paródia da vida no interior americano, e seu humor nunca passa do ponto. Os efeitos sonoros de tiros, granadas e foguetes destruindo pilhas de metal são sensacionais. E a trilha sonora, composta especialmente para o jogo e que passeia por blues e country rock instrumental, é um sopro de vida em um terreno infestado por música orquestrada, chiptune, dubstep e metal, e só pode ser comparada nesse quesito em 2012 com a de Hotline Miami. Juntando tudo, temos um jogo que não se sustenta apenas pela diversão – que não pode ser propriamente medida porque subjetiva – mas sim por atualizar o gênero run n’ gun com ideias de design e mecânicas que surgiram e se provaram eficientes muito depois do auge do gênero. É com esse tipo de nostalgia controlada e aprimorada que gêneros aparentemente mortos ganham sobrevida, e Shoot Many Robots acaba sendo uma lição para quem ainda vive de criar ou jogar o milionésimo jogo de plataforma com visual 8-bits e chiptune.

Anúncios

Um comentário em “Melhores de 2012 – Shoot Many Robots (PC/PSN/XBLA)

Adicione o seu

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑