Aquele Mario, e como todo mundo o conhece

A velha piada do Mario, agora em imagemQuem leu a página Re: Sobre o blog já sabe que eu não tive um console da Nintendo antes do Wii, então estou redescobrindo muita coisa do universo dos jogos da empresa desde o final do ano passado. E esta semana, meio que sem querer querendo, o objeto principal da descoberta foi o grande ícone da Nintendo: sim, aquele mesmo, o Bigode.

Eu cheguei a jogar Mario Bros no Atari – além de Donkey Kong, é claro – mas ficou nisso. Convenhamos, não foi exatamente um contato com o universo Mario; o personagem ainda iria ficar muito maior e mais versátil. Por isso, quando comprei o Wii, me espantou a quantidade de jogos em que o Bigode aparece – e pior, não apenas jogos de plataforma, mas em tudo quanto é tipo de papel em games dos mais diversos tipos.

(Eu ia fazer um resumo aqui, mas acabei de descobrir que a Nintendo World brasileira já nos fez este favor.)

Diversas versões de Mario ao longo da história dos games

Por meses, eu ignorei o Bigode solenemente. Tá, podem me xingar, mas vejam as circunstâncias. Mario sempre foi, pra mim, aquele personagem clássico de jogo de plataforma – o cara que popularizou o gênero. E a despeito da matéria publicada aqui, este gênero não tem prioridade aqui em casa; não que eu não goste, é só que outros como ação, RPG, aventura, survival horror e afins vêm primeiro. Além do mais, para quem ficou tanto tempo sem contato com o Bigode e de repente o vê em jogos de corrida, esportes, RPG, luta, coletânea de minigames e o escambau, não tem como não pensar que todos estes jogos são caça-níqueis sem a menor graça.

Isso tudo mudou depois de duas coisas:

Capa de Super Mario GalaxyCapa de Mario Kart WiiSuper Mario Galaxy.
Mario Kart DS (que me levou para Mario Kart Wii).

O primeiro aportou aqui em parte por culpa de Braid; com ele, descobri que jogos de plataforma poderiam ir bem além da fórmula que conheci quando criança, e as resenhas de Super Mario Galaxy sugeriam que também seria o caso (mais do que New Super Mario Bros, que é um pouco mais fiel à fórmula original). O segundo veio de “brinde” quando adquiri o DS. Demorei um pouquinho para testá-lo porque tinha outros jogos de corrida com franquias famosas, como Grid e Need for Speed – e não sou tão fã assim de corrida.

E foi aí que a minha relação com o Mario (opa!) “saiu do armário”. (não, não é porque Galaxy é todo cheio de cor e brilho e purpurina, seus… seus… seus…). Galaxy mostrou que jogos de plataforma poderiam ser mais do que pulos milimétricos e quinhentas tentativas, e Mario Kart demonstrou que era possível sim que os spinoffs do personagem fossem (muito!) bons. Até hoje, Mario Kart Wii é meu jogo de corrida predileto – quem precisa de realismo quando se tem um equilíbrio perfeito entre caos e seriedade, entre diversão e habilidade, como neste jogo?

Bowser e Peach em Mario Kart WiiMario Kart merece o destaque porque ele pode enganar muito jogador que está só de passagem. Não duvide: à medida que você avança para as modalidades mais difíceis e encara partidas online, ele exige mais habilidade e raciocínio rápido do que qualquer Need for Speed. Parte disso está em saber tirar o melhor proveito dos itens que você coleta no meio do caminho e usa para atrapalhar os outros corredores; porém,  não pense nem por um segundo que deixar de escolher o traçado correto, conhecer a pista, saber quando derrapar e outros fatores relativos apenas ao kart/moto não sejam cruciais também.

Ao mesmo tempo, se você só quer dar risada e fazer uma confusão em uma espécie de Corrida Maluca com personagens dos jogos do Bigode, é só jogar nas modalidades mais baixas ou reunir até quatro pessoas na sua sala. Não há muitas complicações, e as 32 pistas e possibilidades de combinação de personagem/kart/moto garantem uma longevidade enorme ao jogo. Pode apostar: mesmo que jogue 20 corridas seguidas na mesma pista, usando o mesmo personagem e o mesmo veículo, todas elas serão diferentes, mesmo quando correr contra 11 adversários controlados pela CPU. É um jogo em que você vai aplaudir até mesmo quando falhar miseravelmente:

Mas Mario Kart poderia ser uma exceção, certo? Poderia, realmente. Na onda de colocar o Bigode em tudo quanto é papel, há coisas que não funcionaram tão bem, como Dr. Mario (uma espécie de Tetris) e Mario Strikers Charged (espécie de futebol society caótico com tons futuristas), ou ainda que foram reaproveitadas vezes demais, como Mario Party (uma boa pedida, especialmente para reunir os amigos, mas você não precisa comprar mais do que um ou dois jogos da série).  Entretanto, Kart está longe de ser filho único na lista de vertentes de sucesso com o encanador como protagonista.

Por exemplo, entre no Gamespot, na seção Wii, e faça uma busca em Top Games. Mantenha a opção All Games e clique em All Time. Sim, estamos falando do melhores jogos para Wii de todos os tempos segundo o site. Os dois primeiros, empatados com nota 9,5, são Super Mario Galaxy e… Super Smash Bros Brawl, um jogo de luta que inclui não apenas uma série de personagens dos jogos do Bigode, como também da própria Nintendo. E antes que alguém diga “mas é a opinião de um cara só”, dê uma olhada na resenha e procure, no canto inferior direito, pela nota média dos usuários: 9,4 após mais de 23 MIL votos.

(Por motivos técnicos, não pude jogar este; hoje, porém, chega aqui em casa a versão anterior para GameCube, Super Smash Bros Melee, que também foi aclamada. No fim de semana que vem conto o que achei.)

E acha que parou aí? Que nada. Há também a série de RPGs, iniciada com Paper Mario no N64 (disponível para Virtual Console do Wii), que depois ganhou Paper Mario: The Thousand-Year Door (GameCube) e o híbrido platformer/puzzle/RPG Super Paper Mario (Wii). A linha também inclui Mario & Luigi: Superstar Saga (Game Boy Advance), seguida de Partners in Time (DS) e da hilária idéia de Bowser’s Inside Story (DS).  Repare que, em todos esses, a menor nota/média do usuário fica em torno de 8,9. Estou jogando neste momento Partners in Time, o que já me fez correr em uma loja no meio da semana e comprar Bowser’s Inside Story.

E posso dizer: é uma grande, grande surpresa para quem cresceu jogando RPGs antigos no Master System, como Phantasy Star. A fórmula tradicional dos RPGs com visão superior e encontros por turno é sutilmente subvertida aqui. Os combates envolvem elementos clássicos dos jogos de plataforma do Bigode, como pular no momento certo e usar o tipo de salto/power-up/ferramenta apropriado para o inimigo apropriado. Porém, em nenhum momento isso se intromete no nível de estratégia que se espera de um RPG para portátil – e ainda por cima deixa os combates um pouco mais animados, com um pouco mais de ação do que simplesmente escolher o que o personagem vai fazer naquele turno e assistir à animação correspondente.

Em Partners in Time, há um chefe de fase que foi um dos maiores desafios que já enfrentei em um jogo do gênero – e não, não foi porque ele tinha quantidades ignorantes de vida, e sim porque parecia que sim. No jogo, você não tem como saber se o adversário está perto de morrer ou não. E essa lagarta hiperdesenvolvida do vídeo abaixo não morria de jeito nenhum, não importa quanta “bundada”, martelada ou casco de tartaruga na cabeça ela levasse – e ainda por cima, ela recuperava vida. Pior: os “capangas” dela voltavam à tela depois de morrer!

Após três tentativas sem sucesso, fui procurar na internet o que estava fazendo de errado. E descobri que era minha culpa: não estava prestando atenção nas consequências dos ataques que estava fazendo. Não vou dar a solução de bandeja aqui, mas quem prestar atenção no vídeo abaixo, vai perceber como é simples e genial.

E agora que estabelecemos que os jogos-variantes que estrelam Mario são, em geral, de bons para cima, fica a pergunta: como este milagre aconteceu? Afinal, em outras mídias não é comum que spinoffs cresçam e apareçam desse jeito – e mesmo nos games, apostar neles é temerário (Sonic que o diga). O que o Mario tem, além do bigode e do sotaque italiano?

Minhas apostas são:

  1. Sonic the Hedgehog, o marrentoCarisma: Os fãs de Sonic – especialmente os que viveram a época da guerra de mascotes entre a Nintendo e a Sega – que me perdoem, mas um dos motivos pelos quais Mario virou um faz-tudo bem-sucedido foi o seu maior carisma. Mario tem a imagem de gordinho prestativo, simpático e sorridente, enquanto Sonic passa um ar de marrento/malandrão que quer se dar bem. Goste ou não, a maioria tende a preferir a imagem de Mario.
  2. Cogumelo básico dos jogos do MarioConsistência: Por mais que cada jogo varie em gênero, tema principal e objetivo, o universo Mario sempre prevalece como fio de corte. Isso ajuda a criar uma identidade facilmente reconhecível, com os clássicos cogumelos, blocos com interrogações, power-ups e assim por diante. Não há como não sentir uma familiaridade imediata com qualquer jogo que estrele o Bigode, seja ele de corrida ou de RPG.
  3. Mario e Wario em Super Smash Bros Brawl (Wii)Equilíbrio perfeito entre padrão e subversão: Talvez a marca registrada de todas as franquias de Mario seja essa: elas sempre tentam andar na corda bamba entre o que os padrões de um jogo daquele gênero e as bizarrices lisérgicas típicas de um jogo de plataforma no Reino dos Cogumelos. Se você tentar jogar Super Smash Bros a partir de sua experiência com Street Fighter, isso vai lhe ajudar e atrapalhar ao mesmo tempo: por um lado, há combos, golpes fortes, golpes fracos e saltos; por outro,  a condição de vitória (mandar o adversário para fora do “ringue”, mesmo que ele esteja bem mais “saudável” que você) é completamente diferente, assim como muitas outras coisas. E assim é com Mario Kart, Mario & Luigi e assim por diante.

Aliás, a razão três merece destaque porque ela anda em paralelo com outra questão básica do design de games hoje em dia – a equação hiperrealismo vs. fantasia, simulação de ação vs. ação cartunística. Mas isso é assunto para outro dia. Para esta postagem, o ponto é que Mario parece dar certo porque a Nintendo tem completa noção de que pode usá-lo para atingir aquela parte do nosso cérebro responsável pela criatividade sem limites – aquela que as crianças usam naturalmente, e que tentamos recuperar em contextos adultos pelo resto de nossas vidas.

Mario em Mario Strikers Charged (Wii)E os jogos das diversas franquias Mario parecem mostrar exatamente que sim, isso é possível: podemos trazer um pouco do Reino dos Cogumelos para as nossas atividades cotidianas. Podemos sonhar com a idéia de fazer 6 gols com um chute só na pelada do fim de semana, como em Mario Strikers Charged, ou com receber o beijo da princesa ao final de uma ida ao kartódromo – e tudo isso em meio a boas risadas. Para aquela grande maioria das pessoas que não está tentando desesperadamente provar sua própria maturidade através de hiperrealismo ficcional, é uma fórmula infalível.

12 comentários sobre “Aquele Mario, e como todo mundo o conhece

  1. Cara, eu e a Diana também somos bastante antenados com video-game e parece que como vc, em termos de plataformas desta geração temos um Wii, um DS e um PS3. Confesso que atualmente o Wii é o que eu menos jogo (ainda que pretenda reverter esse quadro assim que comprar Monster Hunter Trine, Silent Hill e Galaxy 2). Os jogos da Nintendo são simplesmente fantásticos, Mario Kart Wii foi o primeiro jogo que comprei para o Wii há cerca de três anos, e até hoje é o que eu mais jogo, principalmente quando os amigos visitam. Outros jogos que eu recomendo muito no Wii são: RE4, Zelda Twilight Princess (vale dizer que já se passaram 13 anos em que espero jogar algo que supere Zelda: Ocarina of Time, na minha opinião o melhor jogo já produzido, e Twilight é muito legal, mas ainda não foi melhor), Metroid Prime (a trilogia), e quase tudo que tiver o nome do Mario.

    Percebi que você usa bastante o Gamespot como referência, um site legal para ver que jogos são bons é o gamerankings.com onde basicamente eles dão uma nota baseada em todas as resenhas online do jogo. É bastante útil para quem procura multiperspectivismo também, já que o site também dispõe do link para todas estas resenhas. Quanto maior for o número de resenhas que um jogo tem, mais acurada será a note do Gamerankings.

    E Fabio, quando você vier para o Rio, sinta-se desafiado para uma partida de Mario Kart!

    Curtir

  2. Fala rapaz!

    Quanto às plataformas, estamos *quase* iguais – eu tenho um PS2, não o PS3. (E a próxima deve ser um X360).

    Costumo dizer que RE4 é o “Resident Evil bom” (descobri que em geral não gosto muito da franquia), e que a versão do Wii é a definitiva: a interface de tiro parece ter sido feita para o Wii Remote antes dele existir.

    Estou jogando o Ocarina of Time aos poucos e adorando, mas tenho a impressão de que o status dele deve muito às circunstâncias do lançamento – o impacto que teve em comparação aos jogos da época, e assim por diante. Não que ele não seja atemporal.

    Uso muito o Gamespot porque descobri por comparação que, em geral, as minhas opiniões sobre os jogos “batem” com a maioria das resenhas do Gamespot bem mais do que com as resenhas de outros sites. Além disso, eles mesmos integram o Gamerankings (aparece na página de cada game como “Critic score – XX reviews”, ao lado da nota deles).

    Você não pôs o Wii em rede não? Daí poderíamos trocar Wii numbers e Friend codes. Até hoje não adicionei ninguém no meu Wii. Se conhecer gente aí do Ambrosia que também tem Wii e joga online, é só me avisar que deixo meu Wii number aqui ou lá no Ambrosia.

    Um abraço!🙂

    Curtir

  3. Fabio, deixo uma sugestão se por um milagre ele aparecer no Virtual Console: Super Mario RPG — The Legend of the Seven Stars, lançado pro SNES há um pá de tempo. Tá certo que ele não é tão inovador quanto os novos RPGs do Mario, mas o Action Command surgiu aí, com ataques que se fortalecem ou mesmo precisam de um botão ou sequência de botões na hora certa; além disso a história é muito divertida, até hoje ele é um dos meus favoritos, pena que é bem curto. Abraço.

    Curtir

    1. Fala Pedro,

      Boa lembrança, tá aí um jogo que ainda não tinha procurado no Virtual Console – e está disponível sim, tanto em versão NTSC (EUA) quanto PAL (Europa). Assim que terminar Paper Mario Wii, é nesse que eu vou. Valeu!

      Curtir

  4. Boa tarde!

    Super Mario RPG é fantástico! Foi um dos melhores jogos que joguei, e marcou muito a minha infância! Tenho muitas de suas músicas ecoando na memória.

    Fabio, onde posso encontrar um Mario Kart Wii baratinho, usado, para adquirir? As lojas ainda cobram o preço de lançamento… O mesmo ocorre com Super Smash Bros Brawl. E são jogos do primeiro semestre de 2008!

    Curtir

    1. É difícil mesmo porque, assim como todo jogo que vende mais de 10 milhões de cópias (digamos, os Call of Duty), a procura por eles continua por mais tempo e o preço não abaixa. Para piorar, as lojas que abaixam o preço mesmo assim acabam ficando sem estoque logo (acabei de olhar na House Games e eles não tem, por exemplo).

      Tua única saída é apelar pro Mercado Livre, e mesmo assim não vai sair tão mais barato:
      http://games.mercadolivre.com.br/nintendo-wii-jogos/mario-kart-wii_OrderId_PRICE

      Curtir

  5. Já faz uns dias que tenho observado o preço destes jogos na internet, e como é difícil achar algum deles custando menos de 100 reais. Ainda me arrependo do Brawl de 70 reais que não comprei no Mercado Livre…

    Estou pensando em comprar estes jogos no eBay. Será que vale a pena? Nunca pedi jogos pelo eBay, e não sei quais os critérios nem se é frequente a incidência da tributação pela importação.

    Tenho uma coleção de jogos para GameCube, e para completá-la faltam alguns que são caros aqui no Brasil, como Fire Emblem: Path of Radiance, Beyond Good and Evil e Skies of Arcadia Legends. O ebay também seria uma opção.

    Você tem experiência com importação de jogos? Taí uma sugestão de tópico no seu blog.

    Parabéns pelo site!

    Curtir

  6. Discordo que o Mario seja mais carismático que o Sonic. Acho o Mario um mascote muito “sem sal”. Também não acho que o Sonic passe a imagem de “malandrão”; para mim, ele é mais “radical” e auto-confiante.

    Curtir

      1. Hm… você deixou claro no texto (“Minhas apostas…”) que é opinião sua que o Mario é mais carismático que o Sonic.

        Quanto ao que a maioria acha, baseado em que você diz “Goste ou não, a maioria tende a preferir a imagem de Mario” ?

        O Mario pode ser mais popular, pela quantidade/qualidade dos jogos e pelo que ele representa nos video-games, mas não pelo carisma somente.

        Na verdade, penso que o Sonic seja carismático justamente pelo interesse que o pesonagem desperta mesmo com tantos jogos abaixo da média lançados a cada ano.

        Curtir

Sem comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s